Receba dicas grátis!

Saiba quais cuidados ter com a motobomba da piscina

A motobomba é um dos aparelhos mais importantes quando se trata de manutenção e limpeza de piscina. Consiste em uma bomba automática que faz a água da piscina circular à força, de modo a facilitar o trabalho do filtro e, consequentemente, a eliminação das impurezas da água.

Muitos fazem uma analogia com o corpo humano, comparando o filtro ao “pulmão” (que retém as impurezas do sangue) e a motobomba ao “coração” (que faz circular o sangue). Exatamente por esse motivo, é fundamental manter certos cuidados com esse equipamento.

Quer tomar os cuidados certos com o aparelho? Veja quais são eles!

1. A motobomba requer água limpa

A motobomba da piscina foi projetada, de modo geral, para trabalhar com água limpa. Também foi projetada para operar sob temperaturas mais baixas. Por esse motivo, não se recomenda permitir que o equipamento trabalhe usando água suja, com terra por exemplo. Ou, então, com uma quantidade elevada de sal e assim por diante.

Quando o equipamento trabalha com água misturada com impurezas desse tipo, percebe-se que sua durabilidade é afetada, ou seja, geralmente sua vida útil acaba sendo menor do que deveria.

2. O equipamento precisa trabalhar com água

Outro importante cuidado que se deve ter com a motobomba é colocar uma quantidade inicial de água no pré-filtro no momento do primeiro uso. Isso deve ser feito mesmo quando o aparelho é autoescorvante.

Geralmente, ele não pode funcionar por um período muito longo sem água. A ausência de água pode prejudicar os seus componentes internos, resultando em perda parcial ou completa de sua potência. Quando o equipamento trabalha sem água, poderá sofrer danos no rotor e no selo mecânico.

3. Os cuidados com o motor

Os motores das motobombas podem ser monofásicos ou trifásicos bivolt. Na hora de optar por uma voltagem de trabalho, deve-se levar em conta as orientações de ligação dos fios que estão contidas no manual. Outro ponto é respeitar a distância entre a motobomba da piscina e o quadro de energia, observando as orientações da empresa fabricante no momento de selecionar os cabos mais apropriados.

Em instalações trifásicas, é comum a inversão das fases na alimentação do aparelho. O instalador, nesse caso, precisa ter conhecimento suficiente. Talvez seja preciso inverter os fios do equipamento para ele funcionar da forma certa.

Se o instalador for descuidado e não atentar para esses pontos, o produto poderá perder a garantia. Por isso, sempre se recomenda contar com o suporte de uma empresa especializada.

4. A motobomba precisa de um disjuntor

A motobomba também precisa de um disjuntor para garantir mais proteção aos usuários. Trata-se de uma obrigação definida pela norma NBR 5410 da ABNT.  O disjuntor protege o aparelho e evita acidentes com as pessoas que entram em contato com ele.

Não usar o disjuntor, além de ser contra a lei, pode expor os usuários a riscos fatais, ou seja, à morte.

5. Os outros cuidados com a motobomba da piscina

Após instalar a motobomba da piscina, é recomendável tomar outros cuidados, a saber:

  • o equipamento não deve trabalhar com registros fechados;
  • o cesto do pré-filtro deve ser submetido a limpezas periódicas;
  • a motobomba deve ser desligada logo se acontecerem vibrações, temperaturas elevadas e ruídos (e deve-se levá-la imediatamente à assistência técnica);
  • as uniões e os registros devem permitir que se retire a motobomba e o filtro sem ser necessário perder água.

Agora que você já sabe quais são os cuidados mais importantes a tomar, sua área de lazer estará sempre pronta para aproveitar.

E você, tem tomado todos esses cuidados com a motobomba de sua piscina? O que achou das dicas do post? Deixe seu comentário aqui no blog.

Adicionar comentário